Home Notícias

Mamografia bienal reduz em 40% mortalidade por câncer

E-mail Imprimir PDF
FormatFactorymamografiaistockMulheres com idade entre 50 e 69 anos que fazem mamografia regularmente - a cada dois anos - reduzem em 40% o risco de morrer de câncer de mama , segundo um estudo internacional publicado nessa quarta-feira (3) no New England Journal of Medicine. O estudo foi conduzido por especialistas de 16 países que avaliaram os efeitos positivos e negativos dos diferentes métodos de triagem para o câncer de mama, com base na análise dos resultados de 11 testes clínicos controlados e 40 estudos observacionais.

O trabalho foi coordenado pela Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC), uma agência da Organização Mundial da Saúde (OMS), e contribuirá para a atualização do Manual da IARC sobre a detecção do câncer de mama, cuja última edição foi em 2002. "Esta análise importante ajudará a tranquilizar as mulheres no mundo para o fato de que as mamografias salvam vidas e que (...) são uma ferramenta essencial para aumentar o diagnóstico precoce e, assim, reduzir a mortalidade", explicou o professor Stephen Duffy, da universidade Queen Mary of London, um dos autores da publicação.

O trabalho foi coordenado pela Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC), uma agência da Organização Mundial da Saúde (OMS), e contribuirá para a atualização do Manual da IARC sobre a detecção do câncer de mama, cuja última edição foi em 2002. "Esta análise importante ajudará a tranquilizar as mulheres no mundo para o fato de que as mamografias salvam vidas e que (...) são uma ferramenta essencial para aumentar o diagnóstico precoce e, assim, reduzir a mortalidade", explicou o professor Stephen Duffy, da universidade Queen Mary of London, um dos autores da publicação.

Este estudo confirma outros anteriores, nos quais se afirmava que mulheres de 50 a 69 anos são as que mais se beneficiam da mamografia. Ao contrário, os estudos mostram que as mamografias regulares para as mulheres em seus 40 anos não dão resultados particularmente significativos. No entanto, o professor Duffy enfatiza que "temos de continuar os esforços de investigação sobre outros métodos de detecção, como a promissora tomossíntese 3D, uma mamografia digital que poderia ser adaptada para localizar o tecido mamário denso".

O estudo mostra que os benefícios das mamografias são superiores aos seus aspectos negativos, tais como resultados falso-positivos, sobre-diagnósticos e cânceres potencialmente causados por efeitos de radiação.

O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado em mulheres no mundo e a segunda maior causa de morte por câncer em países desenvolvidos. A doença causou 521.000 mortes no mundo em 2012, segundo os últimos dados da OMS.

Fonte: Terra

 
Página 1 de 1423
Banner
Banner

As 10+ da 93